Relação marca/consumidor para 2021

08/02/2021

O Google identificou 3 macrotendências de comportamento que podem ser chaves para navegar em meio às incertezas e fazer com que empresas, marcas e times sejam relevantes no pós-crise. Elas foram apresentadas durante painel do evento Google Leadership Talks, no último dia 3.

E quai são ela?

Distopia Otimista

"Queremos ser otimistas, mas estamos perdidos" explica Paula Bellizia, vice-presidente de marketing do Google da América Latina. Nesse sentido, os consumidores precisam de ajuda para navegar e as marcas podem ter papel fundamental nesse processo.

Esse momento de guiar também é uma oportunidade de negócios, segundo Lígia Gonçalves, sócia-fundadora da Brain Squad, que participou do debate. "Hábitos representam 40% das nossas decisões diárias e mudá-los exige esforço cognitivo", diz. Assim, a palavra de ordem é simplificar. Com consumidores exaustos por conta da pandemia, os negócios devem eliminar barreiras para que eles deem conta de todas as suas atividades.

Positivar a pandemia

A segunda tendência apontada pelo estudo do Google é a procura pelo bem-estar, pelo teste de novas experiências e maneiras de melhorar o humor durante a pandemia. "Nas buscas relacionadas à ginástica, por exemplo, vimos um aumento de 52% na comparação ano a ano", exemplifica Bellizia.

Desse ponto de vista, provedores de serviços podem surfar na onda da experimentação, acredita Lígia, "É possível apresentar o produto como um pequeno prazer", indica. "Estamos vulneráveis e o bond que se formar agora entre consumidor e marca será muito forte".

O futuro é logo ali

De acordo com Paula, em meio a um cenário nebuloso, as pessoas preferiram priorizar as metas de curto prazo ao invés de jogar planos para o futuro distante. "Permanecemos seres idealizadores e sonhadores, mas devemos aprender a botar em prática todos os aprendizados para sairmos dessa melhores", pontua.

Estabelecer metas mais próximas pode ser positivo, à medida que a tendência é que elas sejam mais realistas, defende Lígia. "É difícil prever como vai ser depois, mas muitos desses comportamentos de agora vão perdurar", diz. "Uma vez que descobrimos, é muito difícil voltar atrás".